MOSTRA DE VIDEODANÇA-DOCUMENTÁRIO

SUMÁRIO

O QUE ME PERMITE SER 

OLHAR

UN PAS DE CÔTÉ (UM PASSO DE LADO)

COLETIVO A-FETO DE DANÇA-TEATRO

ZONAS ABISSAIS

OLHA MAIS PARA MIM

************************************************************************

O QUE ME PERMITE SER 

Sinopse: O que o corpo significa? Sem resposta imediata, comecei a pensar no que poderia significar para outras pessoas e, como de costume, meus preconceitos começaram a responder. Visto que, minhas percepções não são a verdade absoluta e essa também não existe, busquei informações a respeito dessa diversidade de percepções e ideais na tentativa de deslocar o corpo coletando saberes de “personagens sociais” que, até então, me foram apresentados como extremos opostos. Esse documentário foi produzido por Gabrielle Costa Barros, para a proposta da disciplina “Cinema e Ciências Sociais na Produção do Conhecimento”, ofertada pelo professor Carlos Reyna no Instituto de Artes e Design da UFJF. 

Ficha Técnica 

Gravação, idealização e edição: Gabrielle Costa Barros 

Pequeno trecho utilizado da filmagem do Amadança 

**************************************************************************

UN PAS DE CÔTÉ (UM PASSO DE LADO)

Sinopse:  Este documentário retrata alguns ateliers de dança realizados com jovens autistas na cidade de Thorigné Fouillard, França.  Esse filme é um suporte para questionarmos a nossa capacidade de aceitar e de construir com o que nos é desconhecido, a nos desfazermos do que pretendemos ou supomos saber, para em seguida abrirmos novos espaços de troca, de partilha, de aprendizado e de construção.

Ficha Técnica: 

Realização: Michel Charron e Anamaria Fernandes

Produção: Associação Dana, DRAC d’Ille et Vilaine, CHGR – Rennes, França

Duração: 36 minutos

*************************************************************************

COLETIVO A-FETO DE DANÇA-TEATRO

Sinopse: A proposta da Abordagem Somático-Performativa – modo de Prática Artística como Pesquisa – vem sendo desenvolvida pela pesquisadora nos Laboratórios nos últimos quinze anos, em associação a performances do A-FETO (a exemplo das Mostras de Performance da Escola de Belas Artes da UFBA). As características constitutivas do Coletivo A-FETO, que vem se desenvolvendo e consolidando ao longo dos anos tanto nos Laboratórios quanto nas performances, se resumem a: 1. Utilização de princípios dinâmicos e variações livres do Movimento Autêntico (Authentic Movement), da Análise de Movimento Laban/Bartenieff (Laban/Bartenieff Movement Analysis), da dança-teatro (tanztheater), da dança improvisação e da performance, bem como de outras abordagens, métodos e técnicas em diálogo com estas principais matrizes. 2. Ênfase no processo criativo a partir do movimento corporal, possibilitando a experimentação estética e a transgressão do logocentrismo. 3. Relação intercambiável entre ensino, pesquisa e extensão, integradas através do processo e experiência estéticos. 4. Aprendizagem somática por meio da experiência vivida (perspectiva interna) e compartilhada no convívio afetivo coletivo, integrando profissionais de diferentes formações, contextos e temáticas de pesquisa. 5. Ênfase em processos de longa duração, tanto em performances duracionais quanto em conexões e desenvolvimentos ao longo de vários anos, permitindo o desenvolvimento de relações e nuances criativas em sua plenitude. 6. Adaptação dinâmica a um mundo em constante mudança, a partir de conexões e coerências somáticas em campo expandido, em estados de ecologia profunda e Imersão Corpo Ambiente. Coletivo A-FETO de Dança-Teatro foi fundado e é dirigido por Ciane Fernandes desde 1997.

Ficha Técnica:

Direção:  Ciane Fernandes

Imagens do Coletivo A-FETO de Dança-Teatro e dos Laboratórios de Performance, disciplina curricular do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, Escola de Teatro da Universidade Federal da Bahia (PPGAC/UFBA).

*************************************************************************

OLHAR

Sinopse: Padrões corporais derivados da chegada do Hip Hop ao Brasil e os resultados individuais alcançados depois de anos de negociações, conflitos e interações diversas. Vanilton Lakka frequentemente lança mão do material acima para composição em Dança, dialogando com a Dança Contemporânea, trazendo como resultado trabalhos que pressionam os limites das fronteiras entre Hip Hop e Dança Contemporânea, resultando em uma textura singular que adquire simultaneamente um aspecto de familiaridade e estranhamento para indivíduos de ambos universos. Essa singularidade, especificamente é discutida no vídeo «Olhar» produzido em 2014 em parceria com Programa Itaú Cultural Rumos Legado. É um vídeo etnográfico, que expõe a configuração corporal de Lakka a indivíduos nativos dos universos do Hip Hop e da Dança Contemporânea. Suas reações e ideias, gravadas em vídeo, são o ponto central deste trabalho. 

Ficha Técnica:

Concepção Vanilton Lakka 

Câmeras Camila Oliveira, Vanessa Castro, Lucas Humberto, Bruno Peixoto Edição Bruno Peixoto Luz Claudio Henquire Euripedes de Oliveira 

Produção Marcelo Santos 

Tradução Portugués/Espanhol Luciana Naves 

************************************************************************

ZONAS ABISSAIS

Sinopse: Zonas Abissais traz para o audiovisual cenas do espetáculo Memórias Abissais e relatos do trabalho de roteirização e montagem do espetáculo, criado e exibido em 2019, por estudantes do Bacharelado em Dança da UFRJ. Trata-se de um espetáculo de dança contemporânea, que trabalha com a ilusão de ótica e o movimento da luz e do corpo. Um mergulho no imaginário das memórias profundas, que utiliza o espaço como corpo. O espetáculo tem a dramaturgia inspirada nos peixes abissais, que vivem em condições extremas, na maior profundidade do mar, mas que tem luz própria, revelando sua capacidade de adaptação. A coreografia questiona: há fundo impossível de alcançar? Devido a pandemia, o trabalho não pôde ser mais exibido e foi transformado no documentário Zonas Abissais. Zonas Abissais apresenta na tela o revelar, o contraponto entre a luz e o escuro, o fogo e a água, a timidez e a exposição, a liberdade do mar e o confinamento.

Ficha Técnica:

Direção e edição: Mariana Trotta

Intérpretes/criadores: Clarissa Monteiro, Elaine Canedo, Gabi Gabriela, Geisa Souza, Marcos Henrique Souza, Mariana Costa e Mariceli Diogo

Realização: Departamento de Arte Corporal/UFRJ

************************************************************************

OLHA MAIS PARA MIM

Sinopse: Ei ! Quem é você? Com essa pergunta nossa aula de dança começa. Neste trabalho é compartilhado algumas experiências com alunos do Ensino Fundamental na escola com crianças no Projeto Dança e Potencialidades desenvolvido no Centro Pedagógico da Universidade Federal de Minas Gerais.

Ficha técnica:

Coordenação: Marlaina Roriz

Edição e Video: Thiago Meira

Professora Bolsista: Gisele Petrina.

Produção 2018

Duração: 5H13 minutos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s